O problema dos camelos

camelosA advocacia é uma profissão intrigante.

Estuda-se anos e anos a fio, busca-se conhecimento em várias áreas além do próprio direito e muitas vezes a solução do “causo” do cliente está além do próprio direito.

Penso que um dos fatos mais claros é a maturidade da idade e principalmente a maturidade profissional, já que ambas podem correr separadamente.

Quando adquirimos alguma maturidade profissional percebemos que nada sabemos ou que muito pouco adianta o que sabemos e que devemos muito buscar mais e mais o conhecimento, mas não apenas o conhecimento jurídico, principalmente o conhecimento de vida, de relacionamentos, de solução efetiva da causa e não apenas mais um processo no escritório.

Como muito bem já dito: Daria tudo que sei pela metade do que ignoro. René Descartes.

Então, divido um belo exemplo, em que o direito em nada ajudou para solução do causo, mas sim a simples, pura e bela matemática.

Isto mesmo, aquela matemática que com certeza foi o motivo que você ingressou na faculdade de direito: Para fugir dela!

Vejamos:

O problema dos 17 camelos

Um homem, que tinha 17 camelos e 3 filhos, morreu.

Quando o testamento foi aberto, dizia que: metade dos camelos ficaria para o filho mais velho,
um terço para o segundo e
um nono para o terceiro.

O que fazer?

Eram dezessete camelos;
como dar metade ao mais velho?
Um dos animais deveria ser cortado ao meio?

Tal não iria resolver, porque um terço deveria ser dado ao segundo filho.
E a nona parte ao terceiro.

É claro que os filhos correram em busca do homem mais erudito da cidade, o estudioso, o matemático.

Ele raciocinou muito e não conseguiu encontrar a solução, já que a mesma é matemática.

Então alguém sugeriu: “É melhor procurarem alguém que saiba de camelos, não de matemática”.

Procuraram assim o Sheik, homem bastante idoso e inculto, mas com muito saber de experiência feito.

Contaram-lhe o problema.

O velho riu e disse:
“É muito simples, não se preocupem”.

Emprestou um dos seus camelos
– eram agora 18 –
e depois fez a divisão. Nove foram dados ao primeiro filho, que ficou satisfeito.
Ao segundo coube a terça parte – seis camelos –
e ao terceiro filho foram dados dois camelos – a nona parte.
Sobrou um camelo:
o que foi emprestado.

O velho pegou seu camelo de volta e disse:
“Agora podem ir”.

Esta história foi contada no livro “Palavras de fogo”, de Rajneesh e serve para ilustrar a diferença entre a sabedoria e a erudição.
Ele conclui dizendo: “A sabedoria é prática, o que não acontece com a erudição.
A cultura é abstrata, a sabedoria é terrena;
a erudição são palavras e a sabedoria é experiência.”

17+1= 18
1º filho- 18/2= 9
2º ” – 18/3= 6
3º ” – 18/9= 2
9+6+2= 17 camelos

(está cumprido o testamento)
18-17=1
sobrou 1 camelo que foi entregue de volta ao seu proprietário.

Depois de resolvido, parece simples. Antes de ser resolvido, parece insolúvel.

Por este exato motivo, o momento ideal para contratar os seus honorários é antes de resolver o problema do cliente, senão irá parecer que tudo foi muito simples e tudo que é simples, tem valor baixo (o que é um contra senso, pois o simples é sempre muito mais complexo de ser conseguido).

Então, #ficaadica:

Cobre seus honorários antes, busque soluções simples e use e abuse de conhecimentos multidisciplinares. A advocacia agradece.

____________________________________________________

Article write by Gustavo Rocha

GestãoAdvBr CEO – Consultancy on the Strategic Management and Technology

Bruke Investimentos CEO – Business, Valuation, M&A, Opportunities, Market Business and more.

Mobile: [51] 8163.3333 |

Contact: gustavo@gestao.adv.br [Mail, Skype, HangOut, Twitter, LinkedIn, Facebook, Instagram, Youtube]  |

Anúncios

Marcado:

6 pensamentos sobre “O problema dos camelos

  1. Jose Carlos Leite 20 de janeiro de 2014 às 18:13 Reply

    Gustavo, muito bom seu artigo.
    Não sei se comentei, mas iniciei mais um bacharelado, esse na área de Direito.
    Minha intenção é integrar os conhecimentos de TI, empresario ao Direito.

    Um grande abraço .’.

    • Gustavo Rocha 20 de janeiro de 2014 às 18:53 Reply

      É um mercado em constante expansão José! Parabéns pela escolha!

  2. Ronaldo Wilian Vidal 23 de janeiro de 2014 às 13:43 Reply

    Gustavo, grande abraço e parabéns pelo artigo!
    Nunca é demais lembrar que as soluções mais simples nem sempre se dão porque a questão jurídica a ser dirimida é simples. Depende sempre da iniciativa, criatividade e talento de quem vai resolver a pendenga jurídica, por mais rápido que seja. Se não se cobra honorários antes, a impressão que fica para o cliente é que a solução foi simples e não houve tanto trabalho, o que não justifica. Um feliz ano novo!

    • Gustavo Rocha 23 de janeiro de 2014 às 16:51 Reply

      Com toda certeza Ronaldo! Forte abraço!

  3. Luiz Antonio Souza 27 de janeiro de 2014 às 14:15 Reply

    Dr. Gustavo, parabéns, muito legal seu artigo, ainda mais que estamos iniiando um novo ano de trabalho, é bom estarmos atentos aos nossos sagrados honorários. Espero que todos os nossos colegas de profissão possam contratar excelentes honorários nesse ano, lembrando do seu artigo. Um abraço.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s