Ciclo de uma empresa #TerçasdeNegócios

empresaUm interessante artigo de Eduardo Najjar na Exame.com retrata as fases de ciclo de uma empresa familiar.

A realidade brasileira é que mais de 90% das empresas são familiares e a grande maioria sequer pensa em sucessão, em definir papéis, em saber como vai ser o amanhã e por aí vai.

A maioria é Zeca Pagodinho: Deixa a vida me levar…

Ganham dinheiro, sobrevivem e em alguns casos dá certo…. Contudo, na grande maioria, não suportam da segunda para a terceira geração.

São verdadeiros “cases” de sucesso que sucumbem não na economia, no mercado, etc…. Acabam fechando as portas justamente por aqueles que deveriam mantê-las abertas: Pelas decisões da direção.

Neste sentido, uma grande problemática é de misturar a empresa com a família. Trazem de casa as brigas, debates e picuinhas a um ambiente em que outras pessoas precisam conviver, em bom português, vira a casa da mãe Joana e ninguém se entende… Isto quando terceiros não resolvem se aproveitar destas situações para obter proveito próprio…

Bem, vamos aos ciclos:

Uma empresa familiar de sucesso é aquele que trabalha em harmonia com os vários estágios de sua evolução:  empreendedorismo, sobrevivência, crescimento,  governança, renovação e declínio.

Cada uma dessas fases  tem seus próprios desafios e fatores diferenciadores que determinarão a viabilidade do negóco, a longo prazo.

É possível observar-se  um roteiro, identificando transições organizacionais críticas, bem como as armadilhas do negócio, que crescem em tamanho e complexidade à  medida que a empresa cresce.

Primeira Fase: Empreendedorismo
Nesta fase inicial, o fundador declara que está  explorando uma oportunidade de negócio  e que está muito motivado para levá-lo adiante. O fundador  vê a oportunidade onde muitas pessoas não vêem.

Seu foco é a viabilidade do negócio, ou seja, encontrar clientes suficientes para apoiar a existência da empresa. A família é, muitas vezes, o principal fornecedor de mão de obra da empresa.

Segunda Fase : Sobrevivência
A empresa desenvolve um grau de formalização de sua estrutura  e estabelece suas próprias competências distintivas. O principal objetivo, aqui, é gerar receita suficiente para continuar as operações e financiar o crescimento suficiente para que o negócio mantenha-se  competitivo.

Terceira Fase : Crescimento
Nesta fase a empresa se ​​concentra em aumentar sua participação no mercado , apresentando produtos e serviços novos e inovadores ao mercado;  expandindo sua operação para outras regiões;  atraindo financiamentos para suportar seu crescimento.

Caso o fundador consiga superar os problemas apresentados pelo próprio  crescimento, pela expansão, o negócio continuará a crescer e se beneficiará da  sinergia entre herdeiros  e pais.

Quarta Fase : Governança / Maturidade
A mudança do modelo de poder concentrado em uma só pessoa, para aquele em que os herdeiros deverão trabalhar juntos, com sinergia, para tomar decisões que beneficiem a empresa e não apenas os seus interesses pessoais .

Nesta fase , a governança deve colocar ênfase em princípios como transparência, responsabilidade e justiça.  Caso estes princípios não sejam observados, poderão surgir conflitos de difícil resolução, com grande chance de colocar em perigo a sobrevivência do negócio da família e , muito provavelmente , a harmonia e a unidade familiar.

Quinta Fase : Renovação
A empresa cria o desejo voltar a operar com um modelo  “mais magro”, com menores custos.  As equipes deverão promover a inovação, trabalhando com criatividade, que poderá  ser  obtida através da utilização de uma estrutura de tomada de decisão mais descentralizada.

Sexta Fase : Declínio
A empresa entrará nesta fase, caso predominem: a política organizacional e busca do poder;  caso os membros da família controladora do negócio pressionem a gestão,  mais preocupados com as metas pessoais do que as metas da empresa.

Em algumas empresas familiares, a incapacidade de atender às demandas externas de uma Fase anterior,  poderá  levá-la a um período de declínio em que experimentará falta de lucro e perda de participação de mercado.  Neste caso, o  controle e o processo de tomada das principais decisões tendem a retornar a um punhado de pessoas , da mesma forma como o desejo por poder e influência nas fases anteriores, corroeram a viabilidade do negócio.

Fonte: http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/blog-do-management/2013/11/06/ciclo-de-vida-da-empresa-familiar/

E você, sócio de empresa familiar, se vê em qual ciclo/fase?

Dá para notar claramente que tudo que sobe, desce, não é mesmo?

E o que você tem feito para mudar isto?

Você pretende construir algo para daqui 10, 20, 50 anos ou para daqui a 100 anos?

E diga sinceramente: Dá pra separar o pessoal do profissional?

Com a palavra você, leitor.

#LeitornaResponsa

______________________________________________
Artigo escrito por Gustavo Rocha
Sócio da GestãoAdvBr – Consultoria em Gestão e Tecnologia Estratégicas
Sócio da Bruke Investimentos
[+55] [51] 8163.3333 | http://www.gestao.adv.br | http://www.bruke.com.br
Contato integrado: gustavo@gestao.adv.br [Email, Skype, Gtalk, Twitter, LinkedIn, Facebook, Instagram, Youtube]

Anúncios

Marcado:,

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s