A importância do português

Para iniciarmos com o pé direito 2013 nada melhor que uma boa reflexão sobre um tema que é fundamental, essencial, quiçá indispensável na advocacia como um todo: Saber escrever.

Quando escrevo isto, quero dizer: Saber escrever para se tornar intelegivel, ou seja, um escreve e o outro entende o que foi escrito.

Infelizmente esta é uma realidade que está desaparecendo. Parece que aqueles que fazem faculdade estão perdendo o senso de serem sucintos, claros e objetivos. Querem escrever palavras complexas sem compreender a exata noção destas palavras.

Colocam “Hodiernamente”, “Escopo”, “in albis”, e as frases parecem teratológicas para os padrões atuais (teratológica =  monstruosa).

Escrevem como a lenda dos patos de Ruy Barbosa:

Os patos de Rui Barbosa

Diz a lenda que Rui Barbosa, ao chegar em casa, ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal. Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar seus patos de criação. Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com seus amados patos, disse-lhe:
– Oh, bucéfalo anácrono! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à qüinquagésima potência que o vulgo denomina nada.
E o ladrão, confuso, diz:
“- Dotô, eu levo ou deixo os pato?”

A lenda demonstra claramente o que muitos profissionais tem feito ao nosso vernáculo.

Precisamos de objetividade sem perder o conteúdo, óbvio. Precisamos de menos complexidade.

Estamos em uma realidade em que o tempo custa muito caro. Temos que ter tempo para infinitas coisas no trabalho, obrigações sociais e ainda ter tempo para nossa amada(o) e além disto tudo um tempo para nós mesmos. O dia continua tendo 24 horas, não adianta.

Então, ser objetivo, claro, conciso é essencial.

Além disto, se preocupar em escrever corretamente também o é.

Deixo como exemplo a vírgula:

A vírgula pode ser uma pausa… ou não.

Não, espere.
Não espere.

Ela pode sumir com seu dinheiro.

23,4.
2,34.

Pode ser autoritária.
Aceito, obrigado.
Aceito obrigado.

Pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

Ela pode ser a solução.

Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

Uma vírgula muda tudo.

 

Diante disto, vamos usar vírgulas para expressar pequenas pausas em nossos textos da vida; Ponto e vírgula quando a pausa for um pouquinho maior… E claro, ponto final para aqueles assuntos que precisam ser decididos, sem nunca esquecer que é nos três pontos finais da nossa vida (reticências) que tudo pode continuar…

Um 2013 recheado de português para todos nós!

______________________________________________
Artigo escrito por Gustavo Rocha – Sócio da Consultoria GestaoAdvBr
http://www.gestao.adv.br gustavo@gestao.adv.br

Anúncios

Marcado:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s