O que é ser advogado?

Pergunta difícil não?

Muitos irão afirmar que ser advogado é ser indispensável a administração da justiça, outros dirão que é a defesa dos direitos perante o juízo, outros dirão que é uma profissão maravilhosa.

Todos estão certos ao meu ver. Contudo, ser advogado hoje é muito mais do que isto.

Ao sair da faculdade o profissional se depara com uma realidade que aprendeu nos bancos escolares: Precisa saber peticionar, escrever, ler muito e falar complicado para ser um bom profissional.

Ele tenta seguir a risca estes ensinamentos e percebe que está perdendo tempo. Acaba não conquistando clientes e fica sem entender o porque de não ter sucesso, se sabe a lei, jurisprudência e escreve e se posiciona bem…

Ser advogado hoje é totalmente diferente do que foi ser advogado há 10 anos atrás.

Hoje temos uma realidade em que o que realmente importa não é o resultado em si, mas o impacto economico que isto causará. É preferível perder uma demanda do que ter um impacto negativo de mídia ou ecológico.

O famoso bem jurídico, aquele que aprendemos na faculdade como o objetivo a ser perquerido nas demandas, hoje se traduz no bem economico que pode representar.

Lógico, não estamos apenas falando de dinheiro. Ser advogado é muito mais do que isto.

Contudo, a percepção do mercado sob a ótica de quem é o advogado e de que forma ele é importante socialmente mudou.

Hoje temos advogados em empresas não apenas para demandas jurídicas, mas para minimizar riscos, dar opiniões de mercado com visão jurídica.

Hoje temos advogados de pessoas físicas que devem orientar se a demanda é adequada ou apenas um paliativo de tempo, se o cliente terá algum benefício não financeiro, ou seja, se a ação vale a pena.

Ninguém tem tempo para dar a ações que não valem a pena. Brigar e não resolver é um luxo para quem aceita que a vida é uma questão de tempo.

Quem está preocupado apenas em benefícios financeiros pode até querer entrar com certas ações, contudo, ao balançarmos o que teremos de benefício e a nossa paz, tempo e vida, nem sempre a conta é proveitosa para nós.

Além disto, temos que pensar que ser advogado hoje é estar mais alinhado a gestão e tecnologia. É obter mais resultados do escritório com o mesmo número de pessoas. É ter uma tecnologia adequada a suas necessidades.

Em bom português: Ser advogado hoje é ver a advocacia de uma maneira empresarial, aliando gestão, tecnologia e visão de mercado com o bom e velho conhecimento jurídico.

Como você vê o mercado? O que é ser advogado na sua opinião?

_______________________________________
Artigo escrito por Gustavo Rocha – Diretor da Consultoria GestaoAdvBr
http://www.gestao.adv.br | blog.gestao.adv.br | gustavo@gestao.adv.br

Anúncios

Marcado:, ,

3 pensamentos sobre “O que é ser advogado?

  1. […] This post was mentioned on Twitter by GestaoAdvBr, Paulo Roberto Kohl and Rafael Pontes Vital, JusNavigandi Blogs. JusNavigandi Blogs said: O que é ser advogado? http://bit.ly/ghpkCg […]

  2. Maria vasques 10 de janeiro de 2011 às 19:18 Reply

    Li o conteúdo da matéria. Me dei conta que ;realmente é isso mesmo a realidade nos dias de hoje. Você se dedica a determinado ramo do direito, conhece determinadas legislações, que você ” julga primordial “. Mas aí se dá conta que, não acontece como o previsto jurídicamente, mesmo sabendo, que tinha tudo para vence, tanto em relação ao seu conhecimento jurídico, bem como as condições favoráveis do seu cliente. Contudo nada…e voce pergunta, não existe mais justiça? Ela é cega, pelo fato de enxergar o que lhe convém. Onde está a imparcialidade de determinado magistrado? O que dizer para o cliente massacrado, aviltado, com parcos ou nenhum recurso cultural e financeiro, com idade muitas vezes provecta, sem higidez física ou mental. Olha dá vontade de gritar, espernear, pedir aos demais colegas, que cruzem os braços, já que o advogado é a alavanca da justiça, e não havendo justiça, não é preciso advogado. Não existindo este, não precisa: magistrado, relatores, desembargadores…
    Enfim: você se sente impotente, inoperante, amesquinhado e deixa a batalha eis que; você é só. Todavia o outro lado conta com um aparato enorme a lhe desafiar, e o que lhe sobra é : perguntas, perguntas e perguntas, e como lhe fosse um lenitivo; como resposta você obtém: lamento, acreditei, fui sincero, desejei profundamente, porém fica a INQUIETAÇÃO. Desculpe-me, caro colega, pela falta de compromisso esttreito , se não escrevi perfeito, com coerência ou não, mas na minha singela ignorância, Acredito que a vida devia ser mais bonita, por isso estou deixando a profissão, não me rotule de covarde.Mas ao contemplar o meu anel de graduação, me fixo à tábua das leis ou seja, os des mandamentos. Aí verifico, que bastaria existir só o primeiro, aprendi isso com a vida, erros e acertos. Então pens… são leis demais para não serem cumpridas.

    • Gustavo Rocha 11 de janeiro de 2011 às 22:13 Reply

      Dra. Maria, obrigado pelo comentário. Entendo seu ponto de vista e não sou alguém que julga, afinal, cada um sabe o que é melhor para si. Desejo sucesso no novo caminho que estás trilhando!

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s